Pular para o conteúdo principal

Obrigado pelo milésimo acesso!!!


Caros Amigos,

O Blog Direito e Processo Penal teve hoje seu milésimo acesso!!!

Então, antes de tudo, só me resta dizer obrigado: pela leitura, pelas dicas, pelo incentivo e pelo compartilhamento. Um blog não é nada sem leitores qualificados...

Continuamos, então, na análise das recentes alterações na Lei de Lavagem de Dinheiro, para adentrar em um ponto polêmico, isto é, as consequências das recentes alterações no art. 9º para a advocacia.

Como é cediço, o art. 9º elenca as pessoas que, em virtude de sua função, possuem o dever de prestar às autoridades informações sobre transações consideradas  potencialmente suspeitas nos termos de regulamentação.

Dentre as recentes alterações realizadas em tal dispositivo, tivemos a inclusão do inciso XVI, abaixo elencado:

(...)
XIV - as pessoas físicas ou jurídicas que prestem, mesmo que eventualmente, serviços de assessoria, consultoria, contadoria, auditoria, aconselhamento ou assistência, de qualquer natureza, em operações: (Incluído pela Lei nº 12.683, de 2012)
a) de compra e venda de imóveis, estabelecimentos comerciais ou industriais ou participações societárias de qualquer natureza; (Incluída pela Lei nº 12.683, de 2012)
b) de gestão de fundos, valores mobiliários ou outros ativos; (Incluída pela Lei nº 12.683, de 2012)
c) de abertura ou gestão de contas bancárias, de poupança, investimento ou de valores mobiliários; (Incluída pela Lei nº 12.683, de 2012)
d) de criação, exploração ou gestão de sociedades de qualquer natureza, fundações, fundos fiduciários ou estruturas análogas; (Incluída pela Lei nº 12.683, de 2012)
e) financeiras, societárias ou imobiliárias; e (Incluída pela Lei nº 12.683, de 2012)
f) de alienação ou aquisição de direitos sobre contratos relacionados a atividades desportivas ou artísticas profissionais; (Incluída pela Lei nº 12.683, de 2012)
(...)


Da leitura de tal dispositivo, poder-se-ia questionar se a assessoria ou consultoria jurídica nestas áreas estaria abrangida por este inciso.

A questão é palpitante e, com certeza, dará ensejo a profundos debates, tanto na doutrina, quanto na jurisprudência.

Contudo, mesmo que, com a singeleza e objetividade que o post exige, faço questão de registrar aqui minhas primeiras impressões sobre a matéria.

A Constituição Federal assegurou a todos os acusados o direito ao contraditório e à ampla defesa, com os meios e recursos a ela inerentes (art. 5º, LV). Dentre estes meios, sem dúvida alguma se encontra o direito à defesa técnica, isto é, o direito de ser acompanhado por um advogado (art. 5º, LXIII, CF c/c art. 261, CPP).

Para que este direito seja exercido de forma plena, até como forma de não fustigar o direito a não se auto incriminar (art. 5º, LXIII, CF), o cidadão deve ter certeza de que o sigilo profissional é inviolável (art. 7º, XIX, Estatuto do Advogado), ou seja, que seus segredos se encontram em boas mãos.

Neste sentido, ainda que se tenha plena ciência que nenhum direito seja absoluto, tem-se que a quebra do sigilo profissional implicaria na aniquilação do direito à defesa técnica, pelo que entendo que seria cabível uma interpretação conforme a Constituição Federal para excluir os advogados do rol supra citado.

Lembre-se que, antes de temer a impunidade, é preciso acreditar que o processo penal pode viabilizar a punição dos culpados sem violar direitos e prerrogativas. Se o Estado quer incentivar o justo e o correto, deve dar o exemplo...

Enfim, para pensar...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Intimação: advogado constituído x nomeado

Caros Amigos,
Hoje vamos falar de tópico de processo penal que se encaixa perfeitamente em uma questão de concurso: a intimação do defensor dos atos processuais.
Pois bem.
Dispõe o art. 370, § 1.º, do Código de Processo Penal que "a intimação do defensor constituído, do advogado do querelante e do assistente far-se-á por publicação no órgão incumbido da publicidade dos atos judiciais da comarca, incluindo, sob pena de nulidade, o nome do acusado". Contudo, o § 4º do mesmo dispositivo afirma que "a intimação do Ministério Público e do defensor nomeado será pessoal".
Assim, para o defensor constituído, a intimação pode se dar pela publicação de nota de expediente, o que inocorre com o nomeado (público ou dativo), que deve ser intimado pessoalmente.
Nesse sentido, posiciona-se a jurisprudência do STJ:
CRIMINAL. HABEAS CORPUS. HOMICÍDIO QUALIFICADO. NULIDADE DO JULGAMENTO DO APELO. AUSÊNCIA DE INTIMAÇÃO PESSOAL DOS DEFENSORES NOMEADOS PELO RÉU. CONSTRANGIMENTO ILEGAL NÃO E…

A Lei 13.608/18 e a figura do whistleblower

Hoje, o Blog veicula o primeiro post em conjunto com o colega Inezil Marinho Jr., em uma parceria que pretende agregar mais qualidade ao conteúdo aqui presente. Trata-se de uma reflexão inicial sobre o tema, que será desenvolvido em outros posts.
A Lei n.º 13.608/18 
O que faz o informante?

O tema escolhido é a Lei 13.608, sancionada em 10 de janeiro de 2018, especialmente o disposto no art. 4º:
Art. 4o  A União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios, no âmbito de suas competências, poderão estabelecer formas de recompensa pelo oferecimento de informações que sejam úteis para a prevenção, a repressão ou a apuração de crimes ou ilícitos administrativos.
Parágrafo único. Entre as recompensas a serem estabelecidas, poderá ser instituído o pagamento de valores em espécie.
Como se percebe, o dispositivo legal tem espectro bem amplo, pois coloca na condição de informante tanto aquele que evita a prática de um delito (prevenção), como os que auxiliam na apuração ou prevenção de um fato …

O Novo CPC e o Processo Penal: Post I.

Caros Amigos,
Ao lado da existência de conceitos comuns, como jurisdição e competência, o processo penal e o processo civil possuem inegáveis vínculos, em virtude de expressa disposição legal. Diante disto, a promulgação de um novo CPC ocasionará mudanças em matéria processual penal, bem como suscitará inúmeras discussões.
Este post tem a intenção apenas de iniciar um debate que deverá perdurar um bom tempo aqui no Blog. A importância, neste momento, é delimitar bem a forma com a qual CPP e CPC se comunicam.
Feita esta ponderação, voltemos aos vínculos entre CPP e CPC, os quais decorrem, como antes dito, de expressa determinação legislativa.
A primeira espécie de vínculo decorre do fato de que alguns artigos do Código de Processo Penal expressamente remetem ao CPC. Temos, por exemplo, o art. 139 do CPP, que menciona: “O depósito e a administração dos bens arrestados ficarão sujeitos ao regime do processo civil”.
O mesmo ocorre, por exemplo, no art. 362 do CPP, o qual dispõe:
Art. 362.  Ver…