Pular para o conteúdo principal

Compra ou Venda Premiada: estelionato ou crime contra o sistema financeiro?


Caros Amigos

A chamada compra  ou venda premiada é considerada crime contra o sistema financeiro nacional (art. 16 da LCSF) ou é crime contra o patrimônio?

A compra ou venda premiada se caracteriza pela formação de grupos com a finalidade de viabilizar a aquisição de um determinado bem (por exemplo, uma motocicleta). Mensalmente, todos tem a obrigação de contribuir para o grupo, sendo que o contemplado no sorteio fica exonerado do pagamento das parcelas restantes.

Trata-se, em síntese, de atividade semelhante a consórcio, o que gerou dúvidas sobre a incidência ao caso concreto do art. 16 da Lei 7.492/86, c/c com o art. 1º, parágrafo único, da mesma norma, abaixo transcritos:

Art. 16. Fazer operar, sem a devida autorização, ou com autorização obtida mediante declaração (Vetado) falsa, instituição financeira, inclusive de distribuição de valores mobiliários ou de câmbio:
Pena - Reclusão, de 1 (um) a 4 (quatro) anos, e multa.

Art. 1º Considera-se instituição financeira, para efeito desta lei, a pessoa jurídica de direito público ou privado, que tenha como atividade principal ou acessória, cumulativamente ou não, a captação, intermediação ou aplicação de recursos financeiros (Vetado) de terceiros, em moeda nacional ou estrangeira, ou a custódia, emissão, distribuição, negociação, intermediação ou administração de valores mobiliários.
Parágrafo único. Equipara-se à instituição financeira:
I - a pessoa jurídica que capte ou administre seguros, câmbio, consórcio, capitalização ou qualquer tipo de poupança, ou recursos de terceiros;
II - a pessoa natural que exerça quaisquer das atividades referidas neste artigo, ainda que de forma eventual.

A Terceira Seção do Superior Tribunal de Justiça, no dia 13/06/12, apreciou a matéria por ocasião do julgamento do CC 121.146/MA, tendo decidido que a hipótese não se assemelha a consórcio, o que afastaria a incidência do tipo acima exposto. 

Afinal, segundo informação do Banco Central, a venda premiada não se confundiria com o consórcio “pela ausência dos princípios da solidariedade e autofinanciamento”.

Em síntese, o sorteio, no consórcio, não exonera o beneficiado com o pagamento da parcela mensal, a qual continua sendo compulsória, até porque, neste, o grupo se autofinancia, não gerando, em verdade, um prêmio, como ocorre na venda premiada, que mais se assemelha a um esquema de pirâmide.

Em virtude disto, eventual prejuízo a terceiros, segundo o STJ, poderá fazer incidir o artigo 171 do Código Penal (estelionato), e não o art. 16 da Lei dos Crimes contra o Sistema Financeiro Nacional. A competência seria, portanto, da Justiça Estadual, e não da Justiça Federal.

Vejam o inteiro teor em:

https://ww2.stj.jus.br/revistaeletronica/Abre_Documento.asp?sSeq=1155458&sReg=201200317803&sData=20120625&formato=PDF

Comentários

  1. Que legal, se vc ainda estiver ativo com o seu blog, vai me ajudar muito, sou estudante de direitos e vou defender meu TCC nesse conflito de competência, referente a esse assunto "Venda premiada"
    Meu email é esse: anmonadaamem@gmail.com
    Se tiverem mais notícias sobre o assunto ficarei grato em receber, Deus abençoe

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Intimação: advogado constituído x nomeado

Caros Amigos,
Hoje vamos falar de tópico de processo penal que se encaixa perfeitamente em uma questão de concurso: a intimação do defensor dos atos processuais.
Pois bem.
Dispõe o art. 370, § 1.º, do Código de Processo Penal que "a intimação do defensor constituído, do advogado do querelante e do assistente far-se-á por publicação no órgão incumbido da publicidade dos atos judiciais da comarca, incluindo, sob pena de nulidade, o nome do acusado". Contudo, o § 4º do mesmo dispositivo afirma que "a intimação do Ministério Público e do defensor nomeado será pessoal".
Assim, para o defensor constituído, a intimação pode se dar pela publicação de nota de expediente, o que inocorre com o nomeado (público ou dativo), que deve ser intimado pessoalmente.
Nesse sentido, posiciona-se a jurisprudência do STJ:
CRIMINAL. HABEAS CORPUS. HOMICÍDIO QUALIFICADO. NULIDADE DO JULGAMENTO DO APELO. AUSÊNCIA DE INTIMAÇÃO PESSOAL DOS DEFENSORES NOMEADOS PELO RÉU. CONSTRANGIMENTO ILEGAL NÃO E…

A Lei 13.608/18 e a figura do whistleblower

Hoje, o Blog veicula o primeiro post em conjunto com o colega Inezil Marinho Jr., em uma parceria que pretende agregar mais qualidade ao conteúdo aqui presente. Trata-se de uma reflexão inicial sobre o tema, que será desenvolvido em outros posts.
A Lei n.º 13.608/18 
O que faz o informante?

O tema escolhido é a Lei 13.608, sancionada em 10 de janeiro de 2018, especialmente o disposto no art. 4º:
Art. 4o  A União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios, no âmbito de suas competências, poderão estabelecer formas de recompensa pelo oferecimento de informações que sejam úteis para a prevenção, a repressão ou a apuração de crimes ou ilícitos administrativos.
Parágrafo único. Entre as recompensas a serem estabelecidas, poderá ser instituído o pagamento de valores em espécie.
Como se percebe, o dispositivo legal tem espectro bem amplo, pois coloca na condição de informante tanto aquele que evita a prática de um delito (prevenção), como os que auxiliam na apuração ou prevenção de um fato …

O Novo CPC e o Processo Penal: Post I.

Caros Amigos,
Ao lado da existência de conceitos comuns, como jurisdição e competência, o processo penal e o processo civil possuem inegáveis vínculos, em virtude de expressa disposição legal. Diante disto, a promulgação de um novo CPC ocasionará mudanças em matéria processual penal, bem como suscitará inúmeras discussões.
Este post tem a intenção apenas de iniciar um debate que deverá perdurar um bom tempo aqui no Blog. A importância, neste momento, é delimitar bem a forma com a qual CPP e CPC se comunicam.
Feita esta ponderação, voltemos aos vínculos entre CPP e CPC, os quais decorrem, como antes dito, de expressa determinação legislativa.
A primeira espécie de vínculo decorre do fato de que alguns artigos do Código de Processo Penal expressamente remetem ao CPC. Temos, por exemplo, o art. 139 do CPP, que menciona: “O depósito e a administração dos bens arrestados ficarão sujeitos ao regime do processo civil”.
O mesmo ocorre, por exemplo, no art. 362 do CPP, o qual dispõe:
Art. 362.  Ver…