Pular para o conteúdo principal

Prescrição e interrupção de cumprimento de pena restritiva de direitos



Caros Amigos

Hoje vamos comentar o HC 232.764/RS, julgado pela Sexta Turma do Superior Tribunal de Justiça em 25 de junho do corrente ano, oportunidade em que aquele colegiado, de forma unânime, prolatou a seguinte decisão:

HABEAS CORPUS . EXECUÇÃO PENAL. PENA PRIVATIVA DE LIBERDADE SUBSTITUÍDA POR MEDIDA RESTRITIVA DE DIREITOS. ABANDONO DO CUMPRIMENTO DA PENA RESTRITIVA DE DIREITOS. RECONHECIMENTO DA PRESCRIÇÃO DA PENA QUE RESTA A SER CUMPRIDA. ARTIGO 113 DO CÓDIGO PENAL. INTERPRETAÇÃO EXTENSIVA. ORDEM CONCEDIDA.
1 - Se o sentenciado foragido ou que tem o livramento condicional revogado tem direito à contagem do prazo prescricional descontado o período efetivamente cumprido da pena, assim também deve acontecer com aquele que abandona o cumprimento da pena restritiva de direitos antes de seu término, fazendo jus ao desconto do tempo de pena cumprida para fins de contagem de prescrição do restante da pena.
2 - Ordem concedida para reconhecer a prescrição da pretensão executória em relação à pena imposta ao paciente nos autos da Ação Penal n.º 2004.71.04.001348-9 e determinar o arquivamento dos autos da Execução Penal n.º 2006.71.04.007019-6.

Neste julgado, discutiu-se se o art. 113 do Código Penal aplica-se à hipótese em que o apenado interrompe o cumprimento de pena restritiva de direitos, no caso, prestação de serviços à comunidade.

A polêmica é razoável, porquanto o art. 113 trata do prazo prescricional para o condenado que se evade ou tem livramento condicional revogado, não englobando expressamente a interrupção da prestação de serviços, como se dessume da leitura do texto legal, abaixo transcrito:

Prescrição no caso de evasão do condenado ou de revogação do livramento condicional
Art. 113 - No caso de evadir-se o condenado ou de revogar-se o livramento condicional, a prescrição é regulada pelo tempo que resta da pena

Por esta razão, o Tribunal de origem entendeu que o art. 113 do CP não se aplicava ao caso em tela, pelo que o cálculo da prescrição deveria ser feito sobre o total da pena.

A Min. Maria Thereza de Assis Moura, com base em precedentes da Sexta Turma do STJ, entendeu ser o caso de interpretação extensiva do art. 113 do Código Penal, pois o referido dispositivo trata de hipótese em que um executado, condenado, abandona o cumprimento da pena.

Logo, inexiste razão para que tal artigo não seja aplicado em caso em tela, no qual a condenação foi ainda mais branda que nos casos expressamente previstos no dispositivo, tanto que a pena foi substituída por restritiva de direitos.

Observe-se o teor do voto da Exma. Min. Relatora:

O objeto desta impetração cinge-se ao reconhecimento da prescrição da pretensão executória, nos termos do art. 113 do Código Penal, nos casos em que o sentenciado abandona o cumprimento da pena restritiva de direitos antes de seu término.
O art. 113 do Código Penal prevê que: "No caso de evadir-se o condenado ou de revogar-se o livramento condicional, a prescrição é regulada pelo tempo que resta da pena".
O citado artigo, ao empregar as expressões "evasão do condenado" e "revogação do livramento condicional" como hipóteses de regulação do prazo prescricional, pressupõe uma sentença condenatória e que o sentenciado já esteja cumprindo a respectiva pena. Por isso a interrupção do cumprimento da pena permite a contagem do prazo prescricional da pretensão executória, na proporção da pena já cumprida.
O abandono, pelo sentenciado, do cumprimento da pena restritiva de direitos pode ser equiparada às hipóteses da "evasão" e da "revogação do livramento condicional"', pois há sentença condenatória e o sentenciado já cumpriu parte da pena.

Apreciem o inteiro teor em:

https://ww2.stj.jus.br/processo/jsp/revista/abreDocumento.jsp?componente=ITA&sequencial=1159901&num_registro=201200239012&data=20120629&formato=PDF

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O Novo CPC e o Processo Penal: Post I.

Caros Amigos,
Ao lado da existência de conceitos comuns, como jurisdição e competência, o processo penal e o processo civil possuem inegáveis vínculos, em virtude de expressa disposição legal. Diante disto, a promulgação de um novo CPC ocasionará mudanças em matéria processual penal, bem como suscitará inúmeras discussões.
Este post tem a intenção apenas de iniciar um debate que deverá perdurar um bom tempo aqui no Blog. A importância, neste momento, é delimitar bem a forma com a qual CPP e CPC se comunicam.
Feita esta ponderação, voltemos aos vínculos entre CPP e CPC, os quais decorrem, como antes dito, de expressa determinação legislativa.
A primeira espécie de vínculo decorre do fato de que alguns artigos do Código de Processo Penal expressamente remetem ao CPC. Temos, por exemplo, o art. 139 do CPP, que menciona: “O depósito e a administração dos bens arrestados ficarão sujeitos ao regime do processo civil”.
O mesmo ocorre, por exemplo, no art. 362 do CPP, o qual dispõe:
Art. 362.  Ver…

Dano contra a CEF: simples ou qualificado?

Caros Amigos,
Hoje, o Blog trata de um interessante julgado abordado no Informativo 567 do STJ.
No RHC 57.544/SP, discutiu-se na Quinta Turma do STJ se o indivíduo que pratica um crime de dano em detrimento da Caixa Econômica Federal incidiria na figura do dano qualificado (art. 163, par. único, III) ou no tipo comum previsto no art. 163.
Veja-se o teor dos dispositivos:
CAPÍTULO IV DO DANO
Dano
Art. 163 - Destruir, inutilizar ou deteriorar coisa alheia: Pena - detenção, de um a seis meses, ou multa.
Dano qualificado
Parágrafo único - Se o crime é cometido: I - com violência à pessoa ou grave ameaça; II - com emprego de substância inflamável ou explosiva, se o fato não constitui crime mais grave III - contra o patrimônio da União, Estado, Município, empresa concessionária de serviços públicos ou sociedade de economia mista; IV - por motivo egoístico ou com prejuízo considerável para a vítima: Pena - detenção, de seis meses a três anos, e multa, além da pena correspondente à violência.
Segundo a Quin…

Lei 13.257/16

Caros Amigos,
A Lei 13.257/16, recentemente promulgada, estabeleceu políticas públicas para a primeira infância, as quais redundaram em alterações no Código de Processo Penal.
Primeiramente, é preciso pontuar que a mencionada norma passou a exigir que o Delegado de Polícia colha e insira no auto de prisão em flagrante informações sobre a prole do detido (artigos 6º, X, e 304, § 4o, CPP).
Os dados a serem obtidos e consignados são basicamente a existência de filhos e as respectivas idades, bem como se são portadores de alguma deficiência. Da mesma forma, deverá ser declinado o contato do responsável pelo cuidado destes, na ausência do preso.
Veja-se o teor dos dispositivos:
Art. 6o  (…) X - colher informações sobre a existência de filhos, respectivas idades e se possuem alguma deficiência e o nome e o contato de eventual responsável pelos cuidados dos filhos, indicado pela pessoa presa.
Art. 304.  (...) § 4o  Da lavratura do auto de prisão em flagrante deverá constar a informação sobre a exis…