Pular para o conteúdo principal

Termo inicial da prescrição da pretensão executória





Caros Amigos,

Atualmente, é tranquilo na jurisprudência pátria que, diante do princípio da presunção de inocência, a pena apenas pode ser executada após o trânsito em julgado.

O Código Penal, contudo, redigido em um período no qual a execução provisória era aceita, previu que a prescrição da pretensão executória começaria a correr “do dia em que transita em julgado a sentença condenatória, para a acusação”.

Isto é, se a acusação não recorrer de uma decisão condenatória, a prescrição da pretensão executória começa a transcorrer, mesmo que haja recurso da defesa e que, portanto, a pena não possa ser executada de plano.

A questão tem gerado alguma polêmica, porquanto há quem entenda que não se pode fugir da literalidade do dispositivo, mormente em detrimento do acusado. Ou seja, a escolha do Legislador deve ser aceita.

Por outro lado, há quem sustente que o dispositivo deve ser interpretado em consonância com a Constituição. Afinal, como entender que a acusação está inerte se, antes do trânsito em julgado, a pena não pode ser executada?

Recentemente, a Primeira Turma do STF acolheu o entendimento no sentido de que a “pretensão executória surge somente com o trânsito em julgado da condenação criminal”, que é o momento a partir do qual o título judicial pode ser executado.

Nesse sentido:

(...)
4. A pretensão executória surge somente com trânsito em julgado da condenação criminal, conforme precedente do Plenário desta Suprema Corte no HC 84.078 (Rel. Min. Eros Grau, Pleno do Supremo Tribunal Federal, por maioria, j. 05.02.2009), não se iniciando o prazo prescricional respectivo antes deste termo, consoante princípio da actio nata.
5. Agravo regimental conhecido e não provido.
(ARE 682013 AgR, Relator(a):  Min. ROSA WEBER, Primeira Turma, julgado em 11/12/2012, ACÓRDÃO ELETRÔNICO DJe-025 DIVULG 05-02-2013 PUBLIC 06-02-2013)

O Superior Tribunal de Justiça, por outro lado, entende que a “prescrição executória começa a fluir a parti da data do trânsito em julgado para a acusação”, nos termos da literalidade do dispositivo.

Cita-se os seguintes julgados:

HABEAS CORPUS. ART. 14, CAPUT, DA LEI N.º 10.823/03. PRESCRIÇÃO DA PRETENSÃO EXECUTÓRIA. OCORRÊNCIA. ORDEM DE HABEAS CORPUS CONCEDIDA.
1. A contagem do prazo necessário à prescrição da pretensão executória começa a fluir a partir da data do trânsito em julgado para a acusação. É a execução da pena privativa de liberdade que depende da existência de uma condenação definitiva, que só ocorre após o trânsito em julgado para a Defesa. Inteligência do art. 112, inciso I, c.c. art. 110 do Código Penal. Precedentes desta Corte Superior e do Supremo Tribunal Federal.
2. No caso, o Paciente foi condenado à pena de 02 (dois) anos de reclusão e multa, como incurso no art. 14, caput, da Lei n.º 10.826/03, em regime inicial aberto, sendo a pena privativa de liberdade convertida em restritiva de direitos. Assim, tendo em vista que entre a data do trânsito em julgado para a acusação (15/10/2007) e a data da sentença agravada (20/03/2012) transcorreram mais de 04 (quatro) anos, não tendo sido iniciada a execução penal, impõe-se a extinção da punibilidade do Paciente, em razão da prescrição da pretensão executória do Estado.
3. Ordem de habeas corpus concedida para restabelecer a sentença que extinguiu a punibilidade do Paciente.
(HC 243.576/DF, Rel. Ministra LAURITA VAZ, QUINTA TURMA, julgado em 05/02/2013, DJe 15/02/2013)

(...)
III. A prescrição da pretensão executória regula-se pela pena concretamente aplicada, a teor do art. 110, § 1º, do CP, sendo que o prazo prescricional flui a partir do trânsito em julgado da sentença para a acusação (art. 112, I, do Código Penal).
(...)
(EDcl no AgRg no ARE no RE no REsp 1113401/SP, Rel. Ministra ELIANA CALMON, CORTE ESPECIAL, julgado em 17/12/2012, DJe 01/02/2013)

O Tribunal Regional Federal da 4ª Região, por sua vez, ostenta julgados semelhantes à primeira corrente, abaixo citados:

CONTRABANDO/DESCAMINHO. ARTIGO 334 DO CÓDIGO PENAL. INSIGNIFICÂNCIA. DESENVOLVIMENTO CLANDESTINO DE TELECOMUNICAÇÃO. ARTIGO 183 DA LEI 9.472/97. INAPLICABILIDADE DA INSIGNIFICÂNCIA. ARTIGO 70 DA LEI 4.117/62. SEM INCIDÊNCIA. 1. O termo inicial da prescrição da pretensão executória decorre do trânsito em julgado para as partes e não apenas para a acusação. (...) (TRF4, ACR 0003801-28.2008.404.7102, Oitava Turma, Relator Luiz Fernando Wowk Penteado, D.E. 27/11/2012)

PENAL SONEGAÇÃO DE AUTOS. ART. 356 DO CP. DOLO. RESTITUIÇÃO ANTES DA DENÚNCIA. DOSIMETRIA. TERMO INICIAL DA PRESCRIÇÃO DA PRETENSÃO EXECUTÓRIA.
(...)
 4. Considerando que a prescrição da pretensão executória somente corre após a condenação definitiva, inexistindo essa, não há interesse recursal na declaração do seu termo inicial. (TRF4, ACR 0002396-54.2008.404.7102, Oitava Turma, Relator José Paulo Baltazar Junior, D.E. 24/01/2012) 

Recomenda-se a leitura do inteiro teor dos referidos acórdãos.

Fiquem conosco!!


Comentários

  1. Boa noite, gostaria que me auxiliasse em uma questão. A qual juízo devo encaminhar o pedido de prescrição da pretensão executória? Ao juízo que proferiu a sentença condenatória ( Justiça federal/processo já arquivado) ou a VEP ( vara de execuções penais - TJRJ)? OBS: O réu não iniciou o cumprimento da pena?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Samis! Hoje tem um novo tópico sobre este assunto no Blog! O HC 254080 do STJ trata de um caso que responde tua pergunta! Sucesso!

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Intimação: advogado constituído x nomeado

Caros Amigos,
Hoje vamos falar de tópico de processo penal que se encaixa perfeitamente em uma questão de concurso: a intimação do defensor dos atos processuais.
Pois bem.
Dispõe o art. 370, § 1.º, do Código de Processo Penal que "a intimação do defensor constituído, do advogado do querelante e do assistente far-se-á por publicação no órgão incumbido da publicidade dos atos judiciais da comarca, incluindo, sob pena de nulidade, o nome do acusado". Contudo, o § 4º do mesmo dispositivo afirma que "a intimação do Ministério Público e do defensor nomeado será pessoal".
Assim, para o defensor constituído, a intimação pode se dar pela publicação de nota de expediente, o que inocorre com o nomeado (público ou dativo), que deve ser intimado pessoalmente.
Nesse sentido, posiciona-se a jurisprudência do STJ:
CRIMINAL. HABEAS CORPUS. HOMICÍDIO QUALIFICADO. NULIDADE DO JULGAMENTO DO APELO. AUSÊNCIA DE INTIMAÇÃO PESSOAL DOS DEFENSORES NOMEADOS PELO RÉU. CONSTRANGIMENTO ILEGAL NÃO E…

O Novo CPC e o Processo Penal: Post I.

Caros Amigos,
Ao lado da existência de conceitos comuns, como jurisdição e competência, o processo penal e o processo civil possuem inegáveis vínculos, em virtude de expressa disposição legal. Diante disto, a promulgação de um novo CPC ocasionará mudanças em matéria processual penal, bem como suscitará inúmeras discussões.
Este post tem a intenção apenas de iniciar um debate que deverá perdurar um bom tempo aqui no Blog. A importância, neste momento, é delimitar bem a forma com a qual CPP e CPC se comunicam.
Feita esta ponderação, voltemos aos vínculos entre CPP e CPC, os quais decorrem, como antes dito, de expressa determinação legislativa.
A primeira espécie de vínculo decorre do fato de que alguns artigos do Código de Processo Penal expressamente remetem ao CPC. Temos, por exemplo, o art. 139 do CPP, que menciona: “O depósito e a administração dos bens arrestados ficarão sujeitos ao regime do processo civil”.
O mesmo ocorre, por exemplo, no art. 362 do CPP, o qual dispõe:
Art. 362.  Ver…

A Lei 13.608/18 e a figura do whistleblower

Hoje, o Blog veicula o primeiro post em conjunto com o colega Inezil Marinho Jr., em uma parceria que pretende agregar mais qualidade ao conteúdo aqui presente. Trata-se de uma reflexão inicial sobre o tema, que será desenvolvido em outros posts.
A Lei n.º 13.608/18 
O que faz o informante?

O tema escolhido é a Lei 13.608, sancionada em 10 de janeiro de 2018, especialmente o disposto no art. 4º:
Art. 4o  A União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios, no âmbito de suas competências, poderão estabelecer formas de recompensa pelo oferecimento de informações que sejam úteis para a prevenção, a repressão ou a apuração de crimes ou ilícitos administrativos.
Parágrafo único. Entre as recompensas a serem estabelecidas, poderá ser instituído o pagamento de valores em espécie.
Como se percebe, o dispositivo legal tem espectro bem amplo, pois coloca na condição de informante tanto aquele que evita a prática de um delito (prevenção), como os que auxiliam na apuração ou prevenção de um fato …