Pular para o conteúdo principal

Audiências de Custódia II


Caros Amigos,

No último post, tratou-se da Resolução 213, de 15 de dezembro de 2015, através da qual o Conselho Nacional de Justiça regulamentou as audiências de custodia.

No dia 08 de janeiro, a ANAMAGES (Associação Nacional dos Magistrados Estaduais) ajuizou ação direta de inconstitucionalidade contra a mencionada norma, com fulcro no art. 22, I, da Constituição Federal, afirmando ser competência da União Federal legislar sobre tal matéria. Para ter acesso à notícia no site do STF, clique aqui.

A pergunta que vem me sendo feita, pois, é se o CNJ pode regulamentar a realização das referidas audiências.

A resposta é positiva.

Primeiramente, é preciso salientar que a realização das audiências de custódia é decorrência de compromissos internacionais assumidos pelo Brasil (clique aqui), sendo que o Pacto de São José da Costa Rica tem status supralegal em nosso ordenamento (RE 349703). A sua realização, inclusive, foi impulsionada por decisão liminar do STF na ADPF 347 (clique aqui).

Logo, o CNJ está a regulamentar lei federal, o que pode ser feito, mormente se considerado que sua função é o “controle da atuação administrativa e financeira do Poder Judiciário” (art. 103-B, § 4.º, CF).

Embora não haja inteiro teor disponível, aparentemente este foi o entendimento adotado pelo STF ao julgar constitucional a portaria do TJ/SP que determinou a prática das ações de custodia (vide notícia aqui), com base não só no Pacto de São José da Costa Rica, como no próprio art. 656 do CPP.

Entretanto, ao regulamentar a matéria, o CNJ tem, no meu entender, duas barreiras: a) primeiramente, o regulamento não pode inovar em relação ao conteúdo da lei, b) tampouco ir além da matéria eminentemente administrativa, eis que eventuais lacunas de natureza jurisdicional devem ser supridas pelo juiz (CPP, art. 3.º).

Logo, ao determinar que o juiz deve “abster-se de formular perguntas com finalidade de produzir prova para a investigação ou ação penal relativas aos fatos objeto do auto de prisão em flagrante” (art. 8º, VII, da Resolução), penso que o Conselho acabou indo além do Pacto de São José da Costa Rica (art. 7º, 5) e da própria matéria administrativa. Afinal, o Pacto apenas determinou a apresentação do preso, sem demora, a uma autoridade judicial, assegurando seu julgamento em prazo razoável. Em nenhum momento, consta no referido pacto que o ato visa apenas assegurar direitos do acusado, e não igualmente da sociedade e do justo processo.

Da mesma forma, não se poderia vedar a presença dos agentes policiais responsáveis pela prisão ou investigação no ato (art. 4.º, § único, da Resolução). Afinal, se o objetivo é melhor esclarecer as circunstâncias da prisão, como admitido no próprio art. 1º, caput, a oitiva dos agentes é imprescindível. A audiência também tem como objetivo resguardar o trabalho policial quando justo e bem feito. É evidente que, em caso de suspeita de tortura ou abusos, o magistrado tem o poder de ouvir o acusado (e suposta vítima) sem a presença dos agressores, mas isto me parece deve ser a exceção, e não a regra.

Reitero que estes são minhas opiniões pessoais, devendo-se acompanhar a disponibilização do inteiro teor da ADI 5240, bem como o julgamento da ADI 5448, para constatar o que o STF dirá sobre a matéria.

Compartilhem e opinem nas pesquisas no Twitter (@blogdireprocpen).


Fiquem conosco e compartilhem!!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Intimação: advogado constituído x nomeado

Caros Amigos,
Hoje vamos falar de tópico de processo penal que se encaixa perfeitamente em uma questão de concurso: a intimação do defensor dos atos processuais.
Pois bem.
Dispõe o art. 370, § 1.º, do Código de Processo Penal que "a intimação do defensor constituído, do advogado do querelante e do assistente far-se-á por publicação no órgão incumbido da publicidade dos atos judiciais da comarca, incluindo, sob pena de nulidade, o nome do acusado". Contudo, o § 4º do mesmo dispositivo afirma que "a intimação do Ministério Público e do defensor nomeado será pessoal".
Assim, para o defensor constituído, a intimação pode se dar pela publicação de nota de expediente, o que inocorre com o nomeado (público ou dativo), que deve ser intimado pessoalmente.
Nesse sentido, posiciona-se a jurisprudência do STJ:
CRIMINAL. HABEAS CORPUS. HOMICÍDIO QUALIFICADO. NULIDADE DO JULGAMENTO DO APELO. AUSÊNCIA DE INTIMAÇÃO PESSOAL DOS DEFENSORES NOMEADOS PELO RÉU. CONSTRANGIMENTO ILEGAL NÃO E…

O Novo CPC e o Processo Penal: Post I.

Caros Amigos,
Ao lado da existência de conceitos comuns, como jurisdição e competência, o processo penal e o processo civil possuem inegáveis vínculos, em virtude de expressa disposição legal. Diante disto, a promulgação de um novo CPC ocasionará mudanças em matéria processual penal, bem como suscitará inúmeras discussões.
Este post tem a intenção apenas de iniciar um debate que deverá perdurar um bom tempo aqui no Blog. A importância, neste momento, é delimitar bem a forma com a qual CPP e CPC se comunicam.
Feita esta ponderação, voltemos aos vínculos entre CPP e CPC, os quais decorrem, como antes dito, de expressa determinação legislativa.
A primeira espécie de vínculo decorre do fato de que alguns artigos do Código de Processo Penal expressamente remetem ao CPC. Temos, por exemplo, o art. 139 do CPP, que menciona: “O depósito e a administração dos bens arrestados ficarão sujeitos ao regime do processo civil”.
O mesmo ocorre, por exemplo, no art. 362 do CPP, o qual dispõe:
Art. 362.  Ver…

A Lei 13.608/18 e a figura do whistleblower

Hoje, o Blog veicula o primeiro post em conjunto com o colega Inezil Marinho Jr., em uma parceria que pretende agregar mais qualidade ao conteúdo aqui presente. Trata-se de uma reflexão inicial sobre o tema, que será desenvolvido em outros posts.
A Lei n.º 13.608/18 
O que faz o informante?

O tema escolhido é a Lei 13.608, sancionada em 10 de janeiro de 2018, especialmente o disposto no art. 4º:
Art. 4o  A União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios, no âmbito de suas competências, poderão estabelecer formas de recompensa pelo oferecimento de informações que sejam úteis para a prevenção, a repressão ou a apuração de crimes ou ilícitos administrativos.
Parágrafo único. Entre as recompensas a serem estabelecidas, poderá ser instituído o pagamento de valores em espécie.
Como se percebe, o dispositivo legal tem espectro bem amplo, pois coloca na condição de informante tanto aquele que evita a prática de um delito (prevenção), como os que auxiliam na apuração ou prevenção de um fato …