Pular para o conteúdo principal

Direito das Prisões IV


Caros Amigos,

Nesta semana, continuamos nosso debate sobre o Direito das Prisões, tratando de duas novas demandas que foram recentemente levadas ao STF e cujos julgamentos são aguardados por todos os interessados neste tema.

A primeira ação é a ADPF 336, proposta pelo Procurador-Geral da República, que objetiva a declaração da não-recepção do art. 29 da Lei de Execuções Penais pela Constituição Federal.

O mencionado artigo tem a seguinte redação:

Art. 29. O trabalho do preso será remunerado, mediante prévia tabela, não podendo ser inferior a 3/4 (três quartos) do salário mínimo.
§ 1° O produto da remuneração pelo trabalho deverá atender:
a) à indenização dos danos causados pelo crime, desde que determinados judicialmente e não reparados por outros meios;
b) à assistência à família;
c) a pequenas despesas pessoais;
d) ao ressarcimento ao Estado das despesas realizadas com a manutenção do condenado, em proporção a ser fixada e sem prejuízo da destinação prevista nas letras anteriores.
§ 2º Ressalvadas outras aplicações legais, será depositada a parte restante para constituição do pecúlio, em Caderneta de Poupança, que será entregue ao condenado quando posto em liberdade.

Diante da fixação da remuneração em montante inferior ao mínimo, existiria, segundo o Procurador-Geral da República, “contrariedade aos preceitos fundamentais descritos nos arts. 1o, inciso III (dignidade da pessoa humana), 5o, caput (principio da isonomia), e 7o, IV (direito ao salário-mínimo), da Constituição da República”.

Foi requerida medida cautelar, tendo em vista que a decisão atingiria cerca de 150.000 pessoas, eis que 22% dos presos do sistema penitenciário brasileiro trabalham.

Distribuída a ADPF ao Min. Luiz Fux, entretanto, este determinou a oitiva das autoridades requeridas e, posteriormente, do AGU e do PGR, “a fim de que a decisão venha a ser tomada em caráter definitivo e não nesta fase de análise cautelar”.

A ação aguarda, atualmente, a manifestação do PGR.

O tema é bastante relevante. De um lado, a remuneração mais baixa é uma atração da mão-de-obra prisional e pode colaborar para que mais detentos sejam retirados do ócio. Por outro lado, o pagamento de valores a menor para a pessoa privada de liberdade pode ser vista como uma exploração de uma pessoa já em condição de vulnerabilidade.

Independentemente do que o leitor pense sobre a matéria, o acompanhamento da ADFP em tela é obrigatório e pode ser feito neste link.

No próximo post, trataremos da ADPF 347.

Fiquem conosco e indiquem o Blog a quem interessar possa.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Intimação: advogado constituído x nomeado

Caros Amigos,
Hoje vamos falar de tópico de processo penal que se encaixa perfeitamente em uma questão de concurso: a intimação do defensor dos atos processuais.
Pois bem.
Dispõe o art. 370, § 1.º, do Código de Processo Penal que "a intimação do defensor constituído, do advogado do querelante e do assistente far-se-á por publicação no órgão incumbido da publicidade dos atos judiciais da comarca, incluindo, sob pena de nulidade, o nome do acusado". Contudo, o § 4º do mesmo dispositivo afirma que "a intimação do Ministério Público e do defensor nomeado será pessoal".
Assim, para o defensor constituído, a intimação pode se dar pela publicação de nota de expediente, o que inocorre com o nomeado (público ou dativo), que deve ser intimado pessoalmente.
Nesse sentido, posiciona-se a jurisprudência do STJ:
CRIMINAL. HABEAS CORPUS. HOMICÍDIO QUALIFICADO. NULIDADE DO JULGAMENTO DO APELO. AUSÊNCIA DE INTIMAÇÃO PESSOAL DOS DEFENSORES NOMEADOS PELO RÉU. CONSTRANGIMENTO ILEGAL NÃO E…

A Lei 13.608/18 e a figura do whistleblower

Hoje, o Blog veicula o primeiro post em conjunto com o colega Inezil Marinho Jr., em uma parceria que pretende agregar mais qualidade ao conteúdo aqui presente. Trata-se de uma reflexão inicial sobre o tema, que será desenvolvido em outros posts.
A Lei n.º 13.608/18 
O que faz o informante?

O tema escolhido é a Lei 13.608, sancionada em 10 de janeiro de 2018, especialmente o disposto no art. 4º:
Art. 4o  A União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios, no âmbito de suas competências, poderão estabelecer formas de recompensa pelo oferecimento de informações que sejam úteis para a prevenção, a repressão ou a apuração de crimes ou ilícitos administrativos.
Parágrafo único. Entre as recompensas a serem estabelecidas, poderá ser instituído o pagamento de valores em espécie.
Como se percebe, o dispositivo legal tem espectro bem amplo, pois coloca na condição de informante tanto aquele que evita a prática de um delito (prevenção), como os que auxiliam na apuração ou prevenção de um fato …